''O QUE PODEMOS FAZER PARA QUERER FIRMEMENTE AQUILO QUE RECONHECEMOS SER O MELHOR PARA NÓS E PARA NOSSA ESPÉCIE?''

23/12/2009

Sobre o Aluminio, o uso e seus malefícios.



PRIMEIRAMENTE:
NAO ACREDITEM DE FORMA ALGUMA NISSO:
Além de contraditório, é o que eles querem que você ache, eles não vão fechar a industria, seu lucro diário do comércio e utilização do alumínio só porque minoritas pessoas conscientes dizem que faz mal.
Olhos atentos!

Breve história...


Tanto na Grécia como na Roma antigas se empregava a pedra-ume (do latim alūmen ), um sal duplo de alumínio e potássio, 

Geralmente é dado a Friedrich Wöhler o reconhecimento do isolamento do alumínio, fato que ocorreu em 1827, apesar de o metal ter sido obtido impuro alguns anos antes pelo físico e químico Hans Christian Ørsted.
Em 1807, Humphrey Davy propôs o nome aluminum para este metal ainda não descoberto. Mais tarde resolveu-se trocar o nome para aluminium por coerência com a maioria dos outros nomes latinos dos elementos, que usam o sufixo -ium. Desta maneira ocorreu a derivação dos nomes atuais dos elementos em outros idiomas. Entretanto, nos EUA, com o tempo se popularizou a outra forma, hoje admitida também pela IUPAC.
Apesar do alumíno ser um metal encontrado em abundância na crosta terrestre raramente é encontrado livre. Suas aplicações industriais são relativamente recentes, sendo produzido em escala industrial a partir do final do século XIX. Quando foi descoberto verificou-se que a sua separação das rochas que o continham era extremamente difícil. Como conseqüência, durante algum tempo, foi considerado um metal precioso, mais valioso que o ouro. Com o avanço dos processos de obtenção os preços baixaram continuamente até colapsar em1889, devido à descoberta anterior de um método simples de extração do metal. Atualmente, um dos fatores que estimulam o seu uso é a estabilidade do seu preço, provocada principalmente pela sua reciclagem.


Em 1859, Henri Sainte-Claire Deville anunciou melhorias no processo de obtenção, ao substituir o potássio por sódio e o cloreto simples pelo duplo. Posteriormente, com a invenção do processo Hall-Héroult em 1886, simplificou-se e barateou-se a extração do alumínio a partir do mineral. Este processo, juntamente com o processo Bayer , descoberto no mesmo ano, permitiram estender o uso do alumínio para uma multiplicidade de aplicações até então economicamente inviáveis.
A recuperação do metal a partir da reciclagem é uma prática conhecida desde o início do século XX. Entretanto, foi a partir da década de 1960 que o processo se generalizou, mais por razões ambientais do que econômicas. (será ?)


O processo ordinário de obtenção do alumínio ocorre em duas etapas: a obtenção da alumina pelo processo Bayer e, posteriormente, aeletrólise do óxido para obter o alumínio. A elevada reatividade do alumínio impede extraí-lo da alumina mediante a redução, sendo necessário obtê-lo através da eletrólise do óxido, o que exige este composto no estado líquido. A alumina possui um ponto de fusão extremamente alto (2000 °C) tornando inviável de forma econômica a extração do metal. Porém, a adição de um fundente, no caso acriolita, permite que a eletrólise ocorra a uma temperatura menor, de aproximadamente 1000 ºC. Atualmente, a criolita está sendo substituída pela ciolita, um fluoreto artificial de alumínio, sódio e cálcio.

Alumínio e a sua saúde

O alumínio tem espantosa versatilidade, sendo utilizado em muitas ligas metálicas. Depois do aço, é o metal mais usado no mundo, seja em panelas, embalagens aluminizadas, latas de refrigerantes e cervejas, antiácidos e desodorantes antitranspirantes, assim como vasilhames para cães e gatos comerem e beberem.

Em suma, o alumínio é muito útil, porém mortal.

Não há evidências que o alumínio tenha qualquer função vital em plantas ou animais. Está presente em quantidades mínimas nos tecidos de animais, sangue e urina. O conteúdo total no organismo humano estima-se que seja de 50 a 150mg. As maiores concentrações encontram-se nos pulmões talvez devido a poluição atmosférica.

Faixas de concentração de alumínio em nutrição humana:
- em vegetais: 5 – 9,5 ppm.
- frutas frescas de bagas e frutas com caroço: 2 – 4 ppm.
- frutas cítricas: menos que 0,1 – 0,2 ppm.
- leite de vaca: 0,4 – 0,8 mg/l.
- carne de músculos e órgãos: 0,2 – 0,6 ppm.

A faixa de ingestão diária de alumínio na dieta de seres humanos está em torno de 1O à 100mg.



  • Interações:


O excesso de alumínio interfere com a absorção de selênio e potássio.
Dietas pobres em cálcio e ricas em fosfatos favorecem o aumento de alumínio.

Fontes de contaminação
Queijos, panelas, embalagens, tubos de pasta dental, cigarros, creme tártaro, alimentos enlatados, desodorantes, cerveja em lata, leite em caixa, antiácidos com hidróxidos de alumínio.


Doenças causadas pela Toxicidade do alumínio

O excesso de alumínio no organismo provoca constipação intestinal, cólicas abdominais, anorexia, cefaléia, esquecimento, distúrbios de aprendizado, hiperatividade, crises convulsivas, incoordenação motora, demência pré-senil, padrão de fala alterados, diminuição das funções hepáticas e renais.

Tem sido encontrado em altas dosagens nos cérebros de doentes que faleceram com síndrome de Alzheimer e doença de Parkinson,

Orientações higieno-dietéticas:

1-remova ou diminua as fontes de exposição ao metal.
2-aumente o aporte de cálcio, magnésio e vitamina. B6.
3-Diminua o aporte de potássio.
4-Reduza o uso de antiácidos.
5-O alumínio não pode ser quelado, mas pode ser substituído.


Tratamento da intoxicação, desintoxicar-se:

O uso de fibras vegetais é importante para retirada dos metais do organismo.
[pesquise formas de purificação do organismo]
[pesquise alimentos desintoxicantes, alcalizantes, purificadores]

Sabe-se que várias fibras vegetais tem propriedades de quelar metais pesados. A pectina é uma fibra encontrada na maçã e que tem bastante afinidade pelo alumínio. Doses indicadas: 1,0-3,0 gr/dia.

Frutos que contém muita vitamina C, não usa-los em demasia. Variar bastante.


MALEFICIOS DO USO DO ALUMINIO


Panelas podem transferir alumínio para alimentos.


Alimentos preparados em panelas de alumínio e aço inox podem absorver metais durante o cozimento e afetar a saúde humana. Segundo uma pesquisa realizada na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP nestes recipientes é maior a transferência do alumínio (metal tóxico) para a água, e desta para os alimentos. No processo de cozimento do arroz e do feijão, a engenheira Elaine Cristina Bocalon encontrou quantidades excessivas do metal.

A transferência de alumínio em água com sal (10 gramas em 4 litros) foi de 20 miligramas por litro (mg/L) após 3 horas de fervura, quando o admissível seria de 12 a 14 mg/dia. A grande quantidade de alumínio pode trazer vários danos à saúde humana. "Esse metal causa inflamações, seu vapor afeta gravemente os pulmões e há estudos que mostram uma concentração de alumínio no cérebro de pessoas que morreram com mal de Alzheimer", explica Elaine.
A pesquisa também constatou que essa transferência - que depende do tipo de utensílio, da água corrente e de alguns alimentos - cresce com uma maior quantidade de sal e com o pH (Potencial Hidrogeniônico) mais básico. Aumentando-se a salinidade, por exemplo, de 10 para 50 gramas por 4 litros, a concentração de metais na água subiu 25%. Já a variação do pH, elevando-o de muito ácido para muito básico, aumentou em 160% a concentração do alumínio na água.

No cozimento do arroz por 10 minutos, na panela de alumínio, a concentração do metal quase dobrou e na de aço inox, o aumento passou de 130%, comparando-se ao arroz não lavado. No feijão, cozido na panela de alumínio, a concentração do metal subiu aproximadamente 35% em relação ao grão não lavado.

Outros recipientes
A transferência de alumínio para os alimentos é praticamente a mesma quando as panelas são feitas deste metal ou de aço inox. Apesar disso, o aço inox tem algumas vantagens - ele também passa nutrientes: nele foram encontradas as únicas concentrações de cromo detectadas pela pesquisa e as maiores quantidades de ferro. São transferências benéficas de metal, desde que não sejam exageradas. A pesquisadora lembra que os médicos costumavam indicar a pessoas com anemia que cozinhassem em panelas de ferro, para que o metal fosse para o alimento e suprisse as carências do doente. Além disso, não houve transferência de níquel, tóxico. Já a panela de alumínio passou o metal tanto para o arroz quanto para o feijão.

As panelas de teflon parecem ser uma barreira a essa passagem de metais, explica a pesquisadora. Elaine, que estudou o cozimento de alimentos em água do sistema de distribuição de Ribeirão Preto, vai agora fazer novos estudos com água contaminada por partículas de alumínio nas panelas de teflon para verificar se ainda assim não haverá transferência. "Ainda não terminei a pesquisa com o teflon, mas acredito que seja a melhor", afirma.
A pesquisa foi feita com panelas novas. Lavar as panelas com esponja de aço, por exemplo, alteraria esses resultados, podendo aumentar a transferência de metais da água da panela para os alimentos. A pesquisadora faz outras recomendações, como adicionar o sal apenas após o cozimento dos alimentos; evitar utensílios de alumínio, especialmente as pessoas que sofrem de insuficiência renal crônica; evitar esquecer panelas no fogo e preferir os recipientes de teflon ou aço inox.

Fonte: Agência USP



minha opinião talvez não tão importante pra seu pensamento:


Por que trocar hábitos antigos por novos hábitos insalubres?
Era e é tao bom comer um alimento preparado em uma panela emque nao se soltarão residuos toxicos e metais pesados no seu alimento, que nada é do que vida, algo sagrado, hoje não tao valorizado pela maioria dos cordeirinhos [população]. Sendo exageradamente contaminada com condimentos, sal refinado, temperos industriais.


Até ouço falar de que o sabor da comida muda. Nunca ouvi algo que fala-se mal das pobres panelas de barro, a terra é uma parte da natureza, cuja estamos ligados, por mais que tentem nos desligar dela, criando tecnologias fúteis e distrações, nunca desconectaremos dela por completo, somos parte dela, é como uma mãe e sua cria, já ouvirmos tantas historias de que a mãe até consegue pressentir quando o filho sofre ou esta em apuros não é mesmo? 


A lama nada é do que terra molhada, a terra traz consigo vários nutrientes de que nosso corpo se auxilia, isso é fato, existem muitos tratamentos a base de terra, argila, lama, etc e é fácil de se imaginar que no máximo, de uma panela de barro, posa até soltar algum elemento, mas qual mal teria um elemento como ferro, soltar-se em sua comida, raramente? :)


A praticidade em massa leva ao esquecimento dos padroes corretos do uso de utensilios na vida cotidiana. A midia é a maior responsavel por dar o sobro viciante do consumo, gerando a imagem de que panelas tramontina e outras industriais sao otimas, a dona de casa vê aquela panela brilhante e simétrica, e a compra, sem nem ao menos ler, informar-se sobre o metal que é usado, e a maneira de usa-la, muitas vezes ao se alimentar ainda raspa a panela, imaginem o atrito que gera uma colher grossa de arroz raspando no cantinho de uma panela de alumínio velha, tentam imaginar a quantidade de alumínio que entrará no organismo da pessoa. Sem querer e até por ignorancia total, nos continuamos esses habitos e até damos de presente panelas de alumínio e teflon, achando que de certa forma isso é correto, isso é agir sem o questionamento interno sobre os valores, me diga isso é certo? Não é certo agir sem pensar... 
O Alumínio é um metal leve, e o corpo adquirira esse novo inimigo na sua luta diária e constante sobre os males que sao intrusos no nosso organismo e vitalidade, como químicos em geral, poluentes e coisas artificiais que sao colocadas sem permissão em nosso alimento, utensilios de higiene, água e ar todos os dias. Fico imaginando a quantidade de energia que nosso corpo deve gastar pra tentar auto-purificar/curar/defender/expulsar nosso organismo desses ataques prejudiciais, em especial pras pessoas que não ligam para o que comem e o que usam, deduzo tbm que isso não é aparentemente visivel, mas que em escala de tempo ampla, isso acarretará alguns transtornos.


por le [reflexo-natural.blogspot.com]


5 comentários:

Anônimo disse...

cade os beneficios?

le disse...

tente achar alguns e nos diga, eu postarei em teu nome.

EVANIEL UEL disse...

As únicas panelas que não prejudicam o nosso organismo, são as de aço cirúrgico.

Anônimo disse...

Hehe... me diga uma panela que não traga males. A de ferro pode dar ferritina, a de aço e inox alumínio. a de cobre é super perigosa, a de plástico só cozinha no micro e nos transfere biosfenol ou outros, a de Teflon sai aquele pele e fica na comida. Bem, vamos comer tudo cru! Ah, não dá... tem alimentos crus que não nos fazem bem. Então, deixem de blablá.. aff

Anônimo disse...

E a de vidro?

Total de visualizações de página