''O QUE PODEMOS FAZER PARA QUERER FIRMEMENTE AQUILO QUE RECONHECEMOS SER O MELHOR PARA NÓS E PARA NOSSA ESPÉCIE?''

3 de jan de 2010

REFRIGERANTES [05 de 17]

A REAL ALIMENTAÇÃO

Fonte: comunidade Santo Daime
autoria do texto Alexandre Azevedo.
O autor agradece toda crítica e sugestão sobre o tema abordado.

OS REFRIGERANTES são uma mistura horrível de ácido fosfórico, ácido málico, ácido carbônico e ácido eritórbico, entre outras coisas. Há vários outros componentes prejudiciais nestas bebidas não-alcoólicas, além de açúcar refinado. A diferença entre os refrigerantes comuns e os dietéticos é que nestes se usa um substituto para o açúcar, tão nocivo que nos Estados Unidos, cada recipiente precisa ter um aviso no rótulo (como os cigarros), alguns desses aditivos derivam do alcatrão de hulha, outro carcinógeno. Nos refrigerantes pretos (colas), além de tudo isso, há a adição da cafeína. Há somente uma razão para se colocar cafeína em uma bebida não-alcoólica: criar dependência. É criminoso que uma bebida tão letal seja dada, rotineiramente, às nossas crianças.
A quantidade diária de açúcar refinado suportável para o nosso organismo é de meio grama (0,5 grama), por adulto com peso de 60 kg em média. Deve-se diminuir mais ainda esta proporção para crianças. Um único refrigerante contém cerca de 25 gramas de açúcar; uma xícara de café uns 10 a 15 gramas.
Numa pesquisa com ratos, em que injetaram l5 cc de Coca-Cola na cavidade abdominal, todos morreram. Quando se injetou l cc diário, a longo prazo, os ratos sofreram paralisia vertebral e perderam os pêlos após um mês; todas as cobaias também morreram. Os homens não sofrem tantas desgraças em tão pouco tempo, mas o uso prolongado desta bebida causa diabetes, arteriosclerose, problemas cardíacos e prisão de ventre. Comportamento impaciente, miopia, dentes estragados e ossos fracos têm muito a ver com tal bebida.
A boa saúde do nosso organismo também depende do equilíbrio entre o cálcio e o fósforo. Assim, o hábito de beber refrigerantes rouba o cálcio de nosso corpo, pois ele será extraído dos nossos dentes e ossos para a corrente sangüínea a fim de ajudar a controlar o ácido fosfórico, o qual quando é excretado carrega com ele o cálcio solto levando o corpo a uma condição conhecida como osteoporose.

“Cientistas da Universidade de Harvard descobriram que refrigerantes, diet ou não, dificultam o aproveitamento de cálcio pelo organismo. Os ossos ficam mais sujeitos à osteoporose e mais fáceis de quebrar. Os riscos aumentam se a preferência for pelos refrigerantes à base de cola (pretos)”. Fonte: revista Boa Forma, maio de 2001, ano 16, nº 5, edição 167, pág. 115, Editora Abril.
Só o fato de existir açúcar refinado nos refrigerantes já é razão de sobra para não consumir tais bebidas.

“Açúcar e sal. O Consumo deve ser evitado. São substâncias nocivas ao funcionamento do cérebro. Segundo Jean Carper, a dieta ideal para acender a mente é próxima àquela que moldou o cérebro da espécie: a dieta dos homens primitivos... Ela privilegia as pesquisas de Boyd Eaton, evolucionista nutricional da Emory University, de Atlanta, e co-autor do livro ‘The paleolithic prescription’. As pesquisas de evolucionismo nutricional mostram que os homens primitivos ingeriam cinco vezes mais vitaminas e sais minerais do que ingerimos hoje...” Fonte: Jornal do Commercio, edição de 31/12/2000, domingo.
No organismo, 68% do alimento se transforma em açúcar e, a seguir, em glicose. O açúcar contido nos alimentos que ingerimos participa do processo digestivo, enquanto o açúcar refinado das balas, chocolate, refrigerantes, etc. vai diretamente para o sangue. Por exemplo: enquanto o amido do arroz integral participa do processo digestivo, o açúcar refinado vai direto para a corrente sangüínea, que sobrecarregada com ele, levará o fígado e o pâncreas a trabalharem em demasia, ocasionando desequilíbrio no organismo e provocando as tão conhecidas doenças modernas.
O açúcar pode estimular propriedades inflamatórias do colesterol LDL... De acordo com as novas pesquisas, tais inflamações podem levar à ruptura de placas de gordura, levando a complicações ligadas à arteriosclerose, como os ataques cardíacos e derrames.

É curioso saber que uma pessoa não necessita de nenhum açúcar branco, pois a alimentação comum fornece toda a glicose necessária às necessidades orgânicas, seja de um sedentário ou de um desportista. Todo o açúcar extra, ingerido por meio das miríades de guloseimas hoje disponíveis, sejam sorvetes, refrigerantes etc, representa uma tremenda sobrecarga que o organismo tem que suportar. O diabetes, por exemplo, pode ser entendido como o resultado do cansaço do organismo por ter de lidar com tanto açúcar.
Além de roubar o cálcio e o magnésio dos ossos e dentes, o açúcar refinado rouba o complexo B do sistema nervoso, resultando em “nervos à flor da pele”.

Um comentário:

Rui Fragassi disse...

Coloquei este artigo no meu blog (na complementação da minha postagem que trata de refrigerantes):

http://saudeperfeitarfs.blogspot.com

Um grande abraço, Rui.

Total de visualizações de página